Não se correrá o risco de rapidamente vir a considerar o corpo uma coisa como outra qualquer?

Uma concepção despersonalizadora do corpo conduz forçosamente à sua exploração comercial.

A exploração, directa ou indirecta, do prazer sexual individual transformou-se num poderoso estimulante da actividade económica, científica e tecnológica. Isto é evidente no que respeita à contracepção e ao aborto, sobre os quais velam com atenção extrema os lobbies especializados e mesmo a Mafia. Segundo o Fundo das Nações Unidas para a População, o aperfeiçoamento de um novo produto, antes da sua comercialização, requer um investimento da ordem dos 200 milhões de dólares, números que dão uma ideia dos interesses que estão em jogo.

Isto esclarece, também, as razoes pelas quais convém alargar ao máximo o mercado dos fármacos contraceptivos e abortivos. O número dos clientes potenciais ainda está muito longe do dos consumidores efectivos, e a passagem da primeira para a segunda categoria será facilitada pela divulgação de uma moral hedonista, pela permissividade dos costumes, pela pornografia, e pela iniciação à libertinagem sob pretexto de educação sexual. Por sua vez, esta divulgação contribuirá para a difusão precoce das doenças transmitidas sexualmente. Ora, se estas proporcionam às firmas farmacêuticas uma clientela ampla e indefesa, criam também dramas terríveis nos indivíduos e nas famílias e pesam imenso sobre o orçamento de toda a sociedade. Assim, a juventude é votada à depravação por empresas possuídas por um cinismo que confina com a loucura, enquanto a pesquisa científica e a segurança social permanecem desprovidas dos meios necessários perante a amplitude do problema.

Esta é, fundamentalmente, a mesma lógica que, partindo de uma concepção restrita da liberdade humana, acaba por considerar que se pode dispor do corpo humano como se dispõe de uma coisa. O corpo é objecto de alienação. Esquece-se uma verdade elementar; é demasiado redutor dizer que nós temos um corpo, porque nós somos um corpo. Esta fórmula não exprime a totalidade da antropologia, mas exprime algo de essencial.

blint.gif (141 octets) Página seguinte.

blint.gif (141 octets) Voltar na página "O corpo disponível".

blint.gif (141 octets) Voltar na página "Índice geral".