Porque haveria de se instaurar uma "licença de procriação" nos países ricos, onde a baixa natalidade toma já proporções inquietantes?

A resposta a esta questão é dada com toda a clareza por partidários da planificação demográfica. O que dizem eles, em suma? Antes de mais é preciso fazer admitir o aborto, ou seja, o condicionamento da permissão de viver nos países ricos. Em seguida, aproveita-se o exemplo destes países para fazer admitir estas práticas e generalizá-se no Terceiro Mundo. Aliás, porque é que um país que não hesita em matar os seus próprios filhos, hesitaria em matar os dos outros.

Que a longo prazo estas práticas sejam suicidas para os países ricos, é algo que não parece preocupa-los minimamente… Destinadas ao Terceiro Mundo, estas campanhas suicidas acabam por se virar contra os países ricos que as lançaram. Este efeito de boomerang repercute-se até no próprio Terceiro Mundo, onde são as minorias mais educadas e instruídas, e portanto as mais preciosas para estimular o desenvolvimento, que têm acesso à mentalidade antinatalista.

blint.gif (141 octets) Página seguinte.

blint.gif (141 octets) Voltar na página "A Igreja e a demografia".

blint.gif (141 octets) Voltar na página "Índice geral".