Porque é que a Igreja recusa a contracepção?

É sempre importante distinguir cuidadosamente os problemas. A contracepção artificial tem por objectivo prevenir eficazmente uma gravidez; o aborto tem por objectivo destruir uma criança concebida.

A Igreja pede aos casais que não dissociem radicalmente sexualidade e procriação porque considera que a relação conjugal é um humano, irredutível a um comportamento puramente instintivo. Mais precisamente, a Igreja não aprova os meios de contracepção artificial porque, de uma maneira geral, estes desviam a sexualidade de um dos seus fins essenciais. Contudo, ao mesmo tempo a Igreja encoraja os Cristãos a crescerem, com a graça, na prática da sua liberdade e da sua responsabilidade. Sexualidade, liberdade, responsabilidade são, portanto, englobadas numa visão integral do homem. Reconheçamo-lo; os pedidos da Igreja nestes domínios são exigentes, como o é todo o Evangelho.

blint.gif (141 octets) Página seguinte.

blint.gif (141 octets) Voltar na página "A Igreja e a natalidade".

blint.gif (141 octets) Voltar na página "Índice geral".