Como pode o desejo de uma criança de qualidade conduzir ao aborto?

Quando se parte do princípio de que um ser pode vir a existir porque é resultado de um desejo, admite-se necessariamente que um ser pode ser privado da existência porque não é resultado de um desejo.

A criança não desejada pode ser eliminada pelo simples motivo de não ser desejada. A criança que não corresponde à qualidade requerida pode também ser eliminada pela simples razão de não apresentar as qualidades que se esperam dela.

É isto que explica que as "indicações" de aborto renham tendência a diversificar-se e a multiplicar-se. A multiplicação das indicações "eugénicas" ou "ortogénicas" de aborto são o corolário de uma visão que reduz a criança a um objecto de desejo.

blint.gif (141 octets) Página seguinte.

blint.gif (141 octets) Voltar na página "A criança não nascida".

blint.gif (141 octets) Voltar na página "Índice geral".