Como Eliminar os Caracois em Excesso

Resumindo, esta página trata da eliminação dos caracois, quando estes são demasiado numerosos ou simplesmente indesejáveis.  A filosofia aqui presente vai ao encontro do espírito geral do site.

Quando se deseja eliminar caracois,  um pequeno exercicio intelectual é necessário;  por um lado tem que se determinar a espécie que se quer eliminar e então decidir de um método; também é necessário compreender e controlar as consequências que esta eliminação pode ter sobre o aquário.

Tentarei representar aqui todas as possibilidades da maneira mais simples possível.

Antes de mais, determinar a espécie permitirá que se compreenda os hábitos alimentares e o método de captura mais adequado.

Para esta determinação, não hesite em visitar o site, que contém informações sobre os ampullariidae,  melanoïdes, as limnaea, os planorbes, as physas, assim como outras espécies.

Convém antes de mais classificar as espécies mencionadas acima em função de sua alimentação principal:

-Principalemente algivoros: Planorbes / Physas / Limnaea
-Principalemente omnivoros:  Ampullaridae
-Principalemente detritivoros Melanoïdes

Penso que as espécies mencionadas no quadro são as mais susceptiveis de aparecer num aquário, por esta razão tratarei principalmente delas.

A seguir convém determinar uma razão de proliferação e um tamanho de caracol adulto:

Espécie Tamanho Adulto

Razão Provável de Proliferação

Ampullariidae até 10 cm Meio adequado + ovos viáveis
Planorbes até 3 cm Comida em abundância + não hà predadores
Physas até 1 cm Comida em abundância + não hà predadores
Limnaea até 6 cm Comida em abundância + não hà predadores
Melanoïdes até 5 cm Comida em abundância + não hà predadores

Observa-se que um meio favorável e a falta de predadores têm por consequência a multiplicação de todas as espécies.

Técnicas de Eliminação

Exceto Marisa cornuarietis, todos os ampullariidae desovam fora de água, a única explicação para seu excesso numérico é a falta de vigilância do aquariofilo.  De qualquer maneira, o tamanho dos ampullaridae faz com que sejam fáceis de remover manualmente.

Também se observa que além dos ampullariidae, só os melanoïdes são realmente detritivoros.

A técnica da alface cozida, que consiste em colocar a dita alface cozida  num recipiente podendo servir de armadilha e fácil de manusear (por exemplo uma garrafa de água de 1/4 Litro) pode ser utilizada para as limnaea, planorbes e physas.  No entanto será totalmente inefficiente para os melanoïdes.  Esta técnica tem a vantagem  de não polir o meio aquático.

Pegue numa garrafa de 1/4 de litro, limpa e da qual a etiqueta e cola são removidas.  Coloque na garrafa a alface cozida (uma folha é suficiente).  Coloque a garrafa no aquário - DE DIA, só os melanoïdes vivem de noite !  Quando a garrafa estiver infestada de caracois comendo a alface, retire-a e esvazie o conteudo num pequeno balde ... a experiência pode continuar as vezes que fôr necessário.

Aconselho aqui que se coloquem os caracois capturados num recipiente  - porquê não uma garrafa - porque podem ser ùteis para os criadores de  "predadores de caracois", dos quais falarei aqui abaixo.

A alface pode ser substituida por um pequeno pedaço de carne, se se deseja capturar melanoïdes, mas a carne decompõe-se rápidamente e não pode permanecer debaixo de água mais de meia hora.  Com o inconveniente que também se captura peixes.  Para evitar este problema, coloque a armadilha à noite.

NUNCA esmagar os caracois e ovos de caracol esperando que os peixes consumirão os restos;  os peixes só comem um pedaçinho e o aquário fica inevitávelmente poluido !

Os Predadores dos Caracois

Outro método de eliminação consiste em introduzir predadores; no entanto estes terão uma influência sobre a vida do aquário e é possível que esta solução seja o início de outros problemas, aqui está um pequeno resumo:

Predador Eficácia Necessidades e Riscos
Botia Macracantha Eliminação rápida e total Os Botias são  gregários, é necessário introduzir um pequeno grupo e portanto inclui-los na população de maneira permanente ou considerar outra solução.  Sem esquecer que sua vivacidade pode peturbar outros peixes.
Macropodus opercularis Eliminação lenta, resultado incerto Os macropodes ou "peixes-paraiso" são muito agresivos para seus semelhantes e para a população do aquário em geral.
Caranguejos Eliminação lenta mas sistemática e total Se bem que sejam eficientes, eles atacam os peixes e as plantas.  Sua longevidade é curta e não podem ser considerados como benéficos.
Tetraodons, nomeadamente Tetraodon fluviatilis Eliminação rápida e total Os tetraodons necessitam partir casca de caracol para usar seus dentes.  Aqui o benefício é duplo, são alimentados e mantidos.  No entanto, a maior arte vive num meio ligeiramente salino.  Sem esquecer que são agressivos para os peixes de superfície assim como para seus congéneres.

Se deseja ver os predadores mencionados aqui acima, clique AQUI

Alguns destes métodos também são mencionados na página dos melanoïdes e para lembrá-la, o que pode evitar trabalho inútil:  Se o substrato é composto de areia fina, basta passa-lo com a rede para que se capture os caracois.  Se necessário, uma limpeza total do aquário pode ser necessária, com mudança de substrato.

Finalemente, e para voltar à filosofia do site, tente não destruir uma população de caracois que sempre tem um efeito benéfico,  seja o arejamento do substrato ou a luta contra as algas e detritos.

Regresso ao Indice