Margaritifera margaritifera

 

Nome científico: Margaritifera margaritifera (Linnaeus 1758)

Nome comum: Mexilhão perlífero de água doce

Origem: Europa

Família: Margaritiferidae

Género: Margaritifea

Tamanho: 8 à 15 cm

Respiração: aquática, por guelras

Temperatura:  0 à 25°C

Utilidade: filtra a água

Nota:   as espécies grandes  só convêm para grandes volumes de água. Indicadores de boa qualidade da água, as populações globais de Margaritifera tendem actualmente a baixar.

Particularidade: filtra até 2 litros de água por hora, consumindo as particulas orgánicas em suspensão. Concha alongada, levemente  inchada, de côr tendendo para o negro.  Apex frequentemente usado.  Dente cardinal da válvula direita espessa e crdentada.  Bordas posteriores do manto não soldadas para formar uma abertura anal separada.

 

Os lamellibranquios têm guelras em forma de finas lâminas e sua concha é formada de duas válvulas approximadamente simétricas, nas espécies de água doce.  São animais bastante apáticos, que reagem à luz, fechando suas válvulas semiabertas quando se intercepta os raios solares.  Enterram-se quase inteiramente no lodo, deixando aparecer únicamente sua extremidade posterior que corresponde à parte allongada da concha.

O modo de reprodução é bastante interessante, dado que os bivalves são de sexos definidos.  Seus numerosos ovos são fecundados e depois incubados na cavidade paleal das fêmeas.  Quando eclodem, as larvas - ditas  " gloquidias", são rejeitadas para o 'exterior.  Seu aspecto é muito diferente do dos adultos. Para continuar seu desenvolvimento é necessário que sejam engolidas por um peixe.  Elas fixam-se nas guelras e enquistam-se sem causar danos no peixe. Ao cabo de algum tempo, o jovem bivalve, que adquiriu seu aspecto definitivo, sai do quisto e deixa-se cair no fundo.  CErtos aquariofilos afirmam reproduzir essa espécie sem necessidade de um hóspede para as gloquidias.

Durante a abertura das válvulas - grande plano sobre o manto. Quase que se poderia acreditar que nós está a mostrar a língua não é ?! Na realidade trata-se do pé, que procura uma superfície para que o mexilhão se endireite e possa encontrar outra posição.

Regresso ao Sumário